10 de janeiro de 2013

OS ANORMAIS




No meio do ano passado, conversando com uma amiga a respeito dos meus melhores amigos, dizíamos que não tenho amigos normais. Tá que de perto ninguém é normal, mas a anormalidade a que nos referíamos dizia respeito a bloqueios severos em algum âmbito da vida; onde o indivíduo trava totalmente, arranja um jeito de suportar e lidar com a limitação, nega a sua existência em algum grau e, finalmente, mascara insuficientemente essa condição.

A variedade dos bloqueios dos meus amigos é grande: tem o metódico compulsivo; tem aquele nega tudo; tem aquele que criou seu código moral estreito e antiquado e que é totalmente oposto ao seu próprio jeito de viver; tem aquele cuja identidade é uma colcha de retalhos daqueles com quem convive; tem aquele que conseguiu resolver praticamente quase tudo na vida, mas que não está de acordo com sua crença espiritual; tem aquele que, por ser inseguro, busca pessoas inseguras pra relacionamentos; tem o contraditório ambulante; etc.

Daí, eu e essa amiga chegamos à conclusão que eu atraio gente anormal, o que gerou outra pergunta: qual seria a minha anormalidade, o meu bloqueio? Primeiro pensei que pudesse ser uma mania irritante que eu tenho, de diagnosticar e tentar resolver os problemas dos meus amigos, mesmo quando não sou chamado para tal tarefa. Depois mudamos de assunto e o tema ficou pra trás, mas na minha cabeça, o tema continuou em atividade por um bom tempo...

Acredito mesmo que as pessoas vêm a este mundo por um motivo, e eu não falo naquele tom profético, de “cumprir uma missão divina”, ou entusiasta, de “deixar algo importante para a posteridade”. Na minha crença, as pessoas vêm a este mundo aprender alguma lição importante, a lidar com uma, várias ou um conjunto interligado de limitações. Identificar, compreender, resolver e ter sucesso (ou não) nesta tarefa é o que eu considero o grande diferencial quem é feliz e quem é infeliz. Sendo assim, o que eu possa considerar comicamente como uma “anormalidade” nos meus amigos, pode muito bem ser o motivo que os trouxe pra esta existência. Quem vai saber?

E associando todas essas ideias, crenças e convicções, acho que eu finalmente descobri qual a minha “anormalidade”: aceitar derrotas e engolir minhas insatisfações. Sem esse papo de eu ser pessimista, até porque minha vida é relativamente fácil e boa; se eu olhar pra diversos aspectos da minha vida que podem ser considerados complicados, de resolução quase impossível pra muitas pessoas, pra mim a maioria deles são bobagem já resolvida, e isso me faz pensar que eu tenho muita sorte na vida. Nunca passei fome ou sede, nunca tive doenças graves, nunca perdi pra morte alguém de grande relevância; tive acesso facilitado à educação, informação, ensino superior e a um bom grau de cultura; sempre estive rodeado de verdadeiros amigos por onde passei (mesmo que ocasionalmente estivesse na companhia de falsos-amigos), nunca fui alvo de gente realmente malvada, não me considero vítima grave de violência, discriminação, mazelas sociais; tenho condição financeira mediana, mas ainda assim, é bastante elevada se comparado a uma gigantesca faixa da população. Não consigo me colocar no papel de vítima da vida porque, pra ser sincero, a minha vida é bastante “fácil” em termos práticos. Mas existe um pequeno porém...

Existe uma grande diferença entre o que você tem e o que você quer. Existe uma grande diferença entre o que a vida te proporcionou e o que você não foi capaz de conquistar, independente do quão difícil e intensa foi a sua luta pela conquista. E é aí que eu enxergo a minha maior limitação: eu não sou bom em realizar meus sonhos; na verdade, observando a lista (pequena, acredite) daquilo que eu desejo ser/ter antes de morrer, nenhum dos itens foi completado. Por motivos que eu conheço bem, mas que não convém mencionar, eu não terei a profissão dos meus sonhos, nunca terei a pessoa que amo, nunca serei capaz de compreender as questões que me afligem e nunca conseguirei unir aquilo que eu gostaria. Em outras palavras, eu me vejo como um eterno frustrado, que não conseguiu realizar ou conquistar o alvo dos seus desejos mais viscerais, mesmo que sob luta contínua e árdua, mesmo quando tudo indicava que poderia ser possível e acabou não sendo. E, pra piorar, isso soa como um frustrado que reclama de boca cheia, afinal, como eu descrevi anteriormente, a minha vida não é ruim ou difícil. Reclamar disso chega a ser até ofensivo pra muita gente...

No final das contas, acho que a anormalidade da minha vida é essa: compreender que as coisas boas e ruins virão, mas minha vida não será severamente modificada por elas; entretanto, aquilo que entra no meu alvo e vira objetivo de extrema importância não me será concedido, independente do quanto eu lute e tente, não importa o quanto suor e sangue me custe. Parece que a minha função nesta vida é aceitar que meus sonhos continuarão no plano onde eles pertencem, o onírico, e de lá, jamais sairão.

Mas acho que eu consigo. Dói, muito, mas não é tão difícil assim...

Um comentário:

Dama de Cinzas disse...

Estranhamente meus amigos são até bem normaizinhos no modo de ser. Claro que todos tem suas peculiaridades, mas não diria que eles são pessoas diferente.

Eu sou uma diferente e acho que por não gostar de ser é que busco pessoas encaixadinhas e tal.

Beijocas